Carreira

Dinheiro não é tudo


Em pleno século XXI, eu, cidadão das Américas (ainda que do Sul), venho com esse papo mole de que dinheiro não é tudo. Sei que a proposta do post não é nova, mas sei também que tem muita gente que vai concordar comigo que dinheiro não é tudo.

Nós como meros desenvolvedores que somos por vezes somos a menor parte do processo de desenvolvimento de um software ( que paradoxo não ?). Constantemente trabalhamos sobre pressão, com prazos apertados, especificações falhas e com legados de softwares que sofremos pra manter. Mas se é tão ruim assim, por que continuamos ? Simples: porque amamos desenvolver software. Achamos mágico construir soluções que acelerem o processo de comunicação entre os seres humanos, sejam eles quem forem. Gostamos de bits, patterns, miracle driven developments, aprender coisas novas pra agilizar os processos e por ai vai.

Por isso nos envolvemos muito com o nosso trabalho. Saimos da empresa onde trabalhamos e vamos pra casa fazer o que ? Programar ou estudar programação ainda mais – e isso normalmente invade nossos finais de semana. Por essa razão não é difícil imaginar que nos envolvemos e muito com o que fazemos, já que fazemos por que somos apaixonados por isso.

E o que acontece quando percebemos que no ambiente onde trabalhamos existem processos ruins, que podiam ser otimizados mas que por “força maior” não os são ? Perdemos nosso humor. Parece que a “inspiração” para programar acabou, perdemos o ânimo para digitar um ponto-e-vígula sequer. Programador que ama o que faz não consegue digerir muito bem essa coisa de “isso é problema da empresa, as 18h vou pra casa tranquilo”.

E é ai que entra o titulo do post “Dinheiro não é tudo”. Ok, gostamos de dinheiro por que precisamos e por que nos trás conforto, mas dinheiro não compra entusiasmo – muito menos patrimônio intelectual.

Por exemplo, sempre tem aquele papo de que todo programador deve virar gerente de projetos. Por quê ? Simples, porque gerente ganha mais. Mas, e se eu não gostar de ficar “o dia todo de frente pro Project?” (hei isso foi uma piada, por favor ria) E se eu achar graça em outra coisa? E se o que me deixa feliz é digitar um bando de palavras em inglês e apertar o F5 ? (preciso dizer que foi outra piada?). Quem disse que eu estou programando só por dinheiro?

Por isso saiba discernir se você esta construindo o seu futuro simplesmente pelo que vai ganhar ou pelo que vai viver. Não deixe seu prazer em desenvolver softwares da maneira correta enferrujar junto com os processos administrativos da sua empresa. Dinheiro é bom, mas quando a gente morre fica tudo pra um bando de filhos ingratos que não vão saber quantas linhas de código você teve que escrever para consegui-lo. E se você morrer sem filhos, alguma mulher vai acabar gastando sua grana mesmo. (Suellen isso foi só força de expressão tah amor…) Não substitua talento por desculpas. Se quando você esta no trabalho, só fica pensando em ir embora e quando esta em casa fica com aquela sensação de frustação de voltar pra empresa, é melhor você dar uma olhada nesse vídeo aqui.

Ps.: A propósito, a foto do post é do filme A procura da felicidade. Acho que fui o único que achou o filme sensacional do inicio ao fim, mas mesmo assim se você não viu aconselho a fazê-lo.


I'm Pedro Mendes, a passionate developer and technology enthusiast. This blog covers programming and technology in the broadest sense possible. It's the place I collect my thoughts, work and findings to share with the public.

View Comments